Que a experiência de Home Office, causada pela crise de saúde, foi um ponto disruptivo para a maioria das empresas, não é novidade. Interessante contudo, perceber como as empresas já conseguem aferir um ganho de produtividade dos colaboradores nesse modo de trabalho e já consideram aumentar o uso dessa forma de trabalho para parte dos times.

Publicamos essa semana a tradução de trechos de uma pesquisa elaborada pela empresa de consultoria Gartner entre CFOs, que revela que 74% das empresas pesquisadas pretendem transferir alguns funcionários para o trabalho remoto permanentemente.

Boa leitura!

Quase três em cada quatro diretores financeiros planejam mudar pelo menos 5% dos funcionários anteriormente trabalhando no escritório regularmente, para cargos permanentemente remotos após o COVID 19.

Uma pesquisa da Gartner, Inc. com 317 CFOs e líderes financeiros em 30 de março de 2020 * revelou que 74% moverá pelo menos 5% de sua força de trabalho anteriormente no local para posições permanentemente remotas após o COVID 19.

“Esses dados são um exemplo do impacto duradouro que a atual crise de coronavírus terá na maneira como as empresas fazem negócios”, disse Alexander Bant, vice-presidente de pesquisas da Gartner Finance Practice. “Os CFOs, já pressionados a gerenciar rigidamente os custos, sentem claramente uma oportunidade de obter os benefícios de custo de uma força de trabalho remota. De fato, quase um quarto dos entrevistados disseram que moverão pelo menos 20% de seus funcionários no local para cargos remotos permanentes.”

À medida que a crise humanitária e as consequências econômicas da COVID 19 se desenrolam, os CFOs precisam de uma perspectiva rápida para garantir que tomem as ações certas para suas organizações, funcionários, acionistas e para si próprios, especialmente no que se refere à atividade econômica em declínio e à interrupção repentina dos fluxos de caixa.

A Gartner facilitou a discussão entre mais de 100 CFOs em 21 de abril de 2020 para reunir ações em andamento nas quatro áreas principais listadas a seguir:

– Planejamento de cenário recessivo

– COVID 19 Custos Específicos

– Estratégia de Retorno ao Trabalho

– Oportunidades criadas por COVID 19

Planejamento de cenário recessivo

Na esteira de previsões econômicas sombrias, os CFOs estão na posição invejável de equilibrar o planejamento de respostas pandêmicas com o planejamento de recessão. Embora a manutenção do fluxo de caixa e da liquidez seja tão importante como sempre, navegar pela incerteza sobre a duração da recessão, emergiu como uma das principais preocupações dos negócios nas últimas três semanas. A porcentagem de CFOs que citam a incerteza macroeconômica como uma preocupação mais que dobrou desde o início de abril.

Impacto no custo do COVID 19

A maioria das empresas pesquisadas espera uma redução superior a 10% no EBITDA em 2020 em relação a 2019. No entanto, muitos CFOs foram bastante comedidos em suas medidas de corte de custos até o momento, evitando, em grande parte, grandes reduções no número de funcionários. No entanto, eles ainda estão diluindo o impacto temporário e permanente do COVID 19 em sua estrutura de custos.

Embora o COVID 19 tenha exigido custos diretos mais altos (como pagamento de maior sinistralidade nos seguros, limpeza e desinfecção, monitoramento da saúde dos funcionários e redesenho de estratégias imobiliárias para distanciamento social), os CFOs vêem as seguintes estratégias de custo como agregadoras de valor: custos de diversificação da cadeia de suprimentos e fornecem aos funcionários mais liberdade na escolha de ferramentas de trabalho remotas.

foto by pressfoto em freepik.com

Estratégia de retorno ao trabalho

À medida que as empresas estão oficialmente iniciando seus planos de como reabrir suas instalações, elas são desafiadas pela ansiedade dos funcionários em voltar ao trabalho. Diferenças no ritmo de recuperação da pandemia entre regiões e inconsistências nas diretrizes de reabertura nacional versus local, por exemplo. Em resposta, os CFOs atualizam suas organizações considerando as seguintes estratégias: escalonar a reabertura de escritórios com base nas diretrizes locais e colocar os funcionários em primeiro lugar nas decisões de reabertura.

Oportunidades criadas por COVID 19

Mesmo estando pressionados pelo fluxo de caixa e pelas pressões de corte de custos, muitos CFOs estão de olho nas oportunidades de se diferenciar em relação aos concorrentes e impulsionar a criação de valor que gera crescimento nesse ambiente.

Foram citadas muitas oportunidades apresentadas pela atual crise econômica, incluindo:

– Mudança de um modelo de vendas em campo para um modelo de comércio eletrônico para atender às necessidades dos clientes com mais eficiência;

– Recuperar dívidas a taxas de juros historicamente baixas para reduzir a carga de juros;

– Aproveitar o surpreendente ritmo e velocidade com que a equipe / funcionários de liderança se adaptaram à situação atual ao examinar oportunidades futuras;

– Obter talentos com habilidades técnicas e digitais para impulsionar níveis mais altos de melhoria de processos e virtualização em um ambiente remoto;

– Usar o distanciamento social como uma oportunidade para repensar os processos e identificar novos fluxos de receita faturáveis.

Estamos vivenciando a expansão dos modos de trabalho do tradicional, passando pelo Home Office e adotando Home Based para alguns colaboradores. Muito inovador para sua empresa? Sua empresa já sinalizou algo similar?

Fonte:

https://emtemp.gcom.cloud/ngw/globalassets/en/finance/documents/trends/cfo-actions-in-response-to-covid-19-april-20-2020.pdf

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share via
Copy link
Powered by Social Snap