Meeting the Staff

Workplace Strategy Trends

Seu escritório como catalisador de cultura, performance e engajamento

Estamos em meio a um processo de mudança social jamais observado. São cada vez mais comuns os métodos de gerenciamento que reconhecem as necessidades holísticas das pessoas e buscam fomentar o melhor resultado e desenvolvimento dos indivíduos e de suas organizações.

Como atender aos talentos das novas gerações? Quais as ferramentas de suporte tecnológico, físico, cognitivo e emocional adequados às demandas particulares destes indivíduos? Se você espera resultados extraordinários, oferece ferramentas equivalentes ao potencial de sua empresa e equipe?

 
 
  • Rodrigo Calazans

Trabalho no escritório – O retorno... ou não?!?

Com o avanço na vacinação contra o COVID-19, aumenta a expectativa quanto à retomada de hábitos, especialmente aqueles relacionados ao convívio social. Nessa perspectiva, a volta gradativa ao escritório e as interações pessoais marcam parte importante na expectativa de gestores e colaboradores.

Considerando o impacto positivo na redução de despesas, o formato híbrido, mesclando o trabalho remoto em parte do tempo, com dias ou períodos de expediente no escritório, parece o cenário mais viável.

Será? Qual a real expectativa dos colaboradores atualmente, quanto aos ambientes de trabalho de agora em diante?

A empresa de arquitetura Gensler publicou uma pesquisa com ais de 2300 trabalhadores americanos e concluiu que apenas 19% gostaria que seu trabalho fosse remoto em tempo integral. Mais da metade (52%) preferem que haja alguma flexibilidade, seja de um dia trabalhando fora do escritório a até 4 dias. Há ainda 29% dos entrevistados que esperam voltar à rotina de trabalho integral no escritório.

“As estratégias de local de trabalho mais bem-sucedidas encorajam os funcionários com a capacidade de escolher o que funciona melhor para eles. A maioria dos trabalhadores está em seu cenário de trabalho atual devido a uma política da empresa ou governamental. Mas para aqueles com a capacidade de escolher onde trabalhar, os entrevistados que estão optando por retornar ao escritório estão fazendo isso porque é onde eles são mais produtivos. Aqueles que trabalham principalmente ou em período integral em casa o fazem por preocupação com o COVID-19 e outros fatores de conveniência, sugerindo benefícios de trabalho / vida associados ao trabalho em casa.”


A pesquisa apresenta também um quadro com as principais razões citadas para a escolha de cada modal, entre produtividade, risco de contaminação, suporte tecnológico, conforto entre outros.

[Imagem]

Segundo os pesquisadores, aqueles que já trabalham em um modelo híbrido, relatam benefícios positivos para a criatividade, resolução de problemas e relacionamentos de equipe.

“A maioria dos trabalhadores relata que seus trabalhos dependem fortemente da colaboração pessoal, entre funções e setores. Isso significa que a colaboração pessoal transcende as tarefas diárias da maioria dos trabalhadores. No entanto, a maioria dos funcionários trabalha em casa há mais de seis meses. Aqueles que idealmente trabalhariam em tempo integral em casa são significativamente menos propensos a dizer que seu trabalho depende da colaboração pessoal do que aqueles que idealmente trabalhariam no escritório em tempo integral. As pessoas que desejam passar a semana inteira no escritório também tendem a dizer que seu trabalho depende de espaços específicos no local de trabalho. A colaboração está se tornando cada vez mais importante para o trabalho de hoje, e o escritório ainda é o melhor lugar para se conectar com outras pessoas de forma eficiente.”



Foto by Freepik


Na esteira dessa mesma expectativa, a empresa de gestão imobiliária CBRE publicou um relatório com 10 tendências para as estratégias de ocupação pós pandemia. A saber:

1 – O trabalho remoto veio para ficar

“Os desejos de trabalho remoto estão (ainda) crescendo. As organizações estão se preparando para atender à demanda dos funcionários por trabalho remoto, e a competição por talentos abre novos campos de batalha, não apenas de políticas de trabalho flexíveis, mas também de suporte de trabalho flexível, como reembolsos, equipamentos de escritório doméstico e tecnologias. As organizações também precisarão se concentrar em manter e fortalecer sua cultura para funcionários remotos.”

2 – O trabalho no escritório também continua valendo

“O escritório físico ainda tem um papel importante, mesmo em um futuro mais móvel, mas será projetado para oferecer flexibilidade e escolha. As empresas devem repensar o uso de uma sede em troca de um ecossistema mais amplo de locais de trabalho que pode incluir escritórios regionais, espaços de coworking e o trabalho nas residências para oferecer suporte à mobilidade crescente e contínua.”

3 – Os espaços serão mais coletivos e menos individuais

“Para influenciar os funcionários a usar o escritório como destino por escolha, os ocupantes devem repensar o que seus escritórios podem oferecer de diferente, em comparação com a experiência de trabalhar remotamente. O novo objetivo do escritório será fornecer um local para a comunidade, cultura e colaboração. Os funcionários passarão menos tempo em tarefas individuais enquanto estão no escritório e mais tempo colaborando, fazendo networking e socializando. A composição do escritório deverá ajustada para refletir essa mudança.”

Julgo interessante chamar a atenção para uma transição importante nesse aspecto. Para muitos escritórios parceiros que nos consultam , a premissa de projeto baseado nas atividades das equipes, simplesmente não fazia sentido e não foi adotado. Em sequência na metodologia Scrum, os projetos baseados nas composições de equipes, eram aplicadas em clientes específicos, especialmente na indústria de dados e tecnologia da informação. O relatório da CBRE aponta uma nova tendência relacionada aos projetos sob premissa de “eventos” com o percentual aplicado em utilização coletiva superior a 50% da área total. Fico refletindo qual será o tempo para que os escritórios percorram a curva de aprendizado e identificação junto aos clientes contratantes para que essa nova realidade se concretize.

[imagem]

4 – Salas de reunião serão adaptadas para interações mistas, presenciais e digitais

“A tecnologia que conecta funcionários no escritório a funcionários remotos, se tornará um padrão nas salas de reunião. Ferramentas como software de quadro branco virtual, quadros inteligentes, plataformas de comunicação síncrona e assíncrona e dispositivos de telepresença de grande formato diminuirão as desvantagens de participar virtualmente de uma reunião pessoal.”

5 – As estratégias de “amenidades” se concentrarão em hospitalidade e serviços.

“Para criar um escritório atraente, ao qual as pessoas desejam ir, as comodidades e se concentrarão na criação de um ambiente acolhedor, apoiando a saúde e o bem-estar dos funcionários e aumentando a conveniência de trabalhar no local.

6 – Estratégias de ocupação e compartilhamento de mesas, continuarão a crescer em popularidade.

“Estratégias de ocupação de “endereço gratuito” que envolvem compartilhamento de mesa - com protocolos de limpeza aprimorados para apoiar saúde e segurança - são uma solução cada vez mais atraente para ocupantes que desejam otimizar a utilização do escritório em um mundo mais móvel. Os ocupantes de áreas maiores, provavelmente farão experiências com sistemas de reserva de mesa para facilitar a transição.


7 – Os funcionários vão exigir mais área livre para mobilidade ou espaço de manobra.

“A pandemia terá um impacto duradouro na consciência dos funcionários sobre a saúde e o bem-estar no local de trabalho. Além dos requisitos de distanciamento físico, as estações de trabalho e salas de reunião serão configuradas para permitir uma maior distância entre os funcionários. Os ocupantes não necessariamente precisarão comprar móveis novos e maiores. A maioria abordará essas questões por meio do planejamento e da circulação nas vizinhanças do escritório.”


8 – O projeto de construção e operação saudáveis ocuparão o centro do palco.

“A COVID-19 reduziu a relação entre edifícios e bem-estar. À medida que proprietários e funcionários competem por inquilinos e funcionários, respectivamente, os ambientes de trabalho diferenciados serão aqueles que inovam no campo do bem-estar e abordam um amplo espectro de saúde além do físico.”

[imagem]

9 – As formas como definimos e medimos o desempenho do local de trabalho mudarão

“Se houver locais de trabalho para apoiar a empresa e as pessoas que os ocupam, as métricas de sucesso de Ativos imobiliários corporativos devem apresentar uma pontuação de resultados equilibrada e se alinhar aos objetivos mais amplos da empresa. Medidas centradas nas pessoas se tornarão mais comuns para refletir as intenções do design no local de trabalho.”

10 - Parcerias entre CRE, RH e TI fortalecerão

“Mais do que nunca, o fornecimento de uma experiência de trabalho de alto desempenho, dependerá da integração cuidadosa de espaço, pessoas e tecnologia. Para navegar neste campo interdisciplinar, provavelmente veremos uma evolução na função de “Head of Corporate Real Estate” em direção a uma posição mais elevada e estratégica de “Chief Places Officer”.”

Na sua empresa, quais os planos de retorno? Já existe uma direção definida? Comente

Fontes:

https://www.cbre.com/-/media/files/the-way-forward/the-future-workplace-top-10-predictions/top10predictions-v06.pdf

https://www.gensler.com/research-insight/gensler-research-institute/us-workplace-survey-2020-summer-fall

Laptop & Coffee

Vamos marcar um café?

Um café e boa conversa, sempre fazem bem.

São Paulo - SP